VI QUARTA EM MOVIE – INVÓLUCRO

Bem vindos

Com muito prazer o Quarta em Movie exibiu o filme Invólucro. Filme que mostra o caminhos das sacolinhas plásticas desde sua fabricação, passando pelo seu descarte em nossas casas até o processo de separação do lixo e destinação do material em questão.

Mauricio Waldman abrilhantou a noite com sua grande sabedoria trazendo inúmeros dados sobre o lixo no Mundo, esclarecendo sobre a necessidade ou não da utilização de invólucros que rondam nossas vidas.

Assim, toda especulação sobre o assunto altamente atual, vai se elucidando e fica a reflexão de que devemos ser a mudança que queremos ver.

Obrigado ao Gambalaia pela parceria e até o próximo Quarta em Movie

Album fotográfico:

http://www.4shared.com/minifolder/x7eJw2-H/Neblina_no_Quarta_Movie.html

Por Coletivo N.A.S.A.

Anúncios

Assembléia Inaugural do Coletivo N.A.S.A. (Núcleo de Ações Socioculturais Ativista)

No último sábado dia 05 de Maio de 2012, foi realizada a Assembléia Inaugural do Coletivo N.A.S.A. (Núcleo de Ações Socioculturais Ativista) às 14 horas no Tupinikim Pizza Lounge em Santo André, ministrada pelo Advogado Taiguara.

Alegria, união, felicidade, responsabilidade e amizade estavam presentes nesta data… Início de um texto sensacionalista com adjetivos melosos? Pode até ser, mas neste encontro, nesta reunião de profissionais, amigos, parentes, colaboradores e guerreiros isso pode, pois foi um momento sensacional e especial, a assembleia inaugural e assinatura do estatuto do Coletivo N.A.S.A.

Agora juridicamente também existimos e como um Fênix renascemos, burocracia desnecessária mais papeladas e explicações técnicas por parte do advogado? Infelizmente não caro leitor, trata-se de uma necessidade para ampliarmos nosso leque de ações e também para captarmos recursos, parceiros como também para concorrermos em editais e assim melhor estruturarmos nossas ações, na intenção de promover cada vez mais e melhor nossas atividades relacionadas à cultura e também de cunho social. A difusão destes dois últimos, principalmente em nossa cidade está cada vez mais raro, e é por isso que devemos nos organizar para que assim nossa guerrilha não possa ser interrompida, então esse novo passo é visto por todos os integrantes como uma grande vitória.

O coletivo foi formado e fomentado pela diversidade dos integrantes e necessidade de mudança no cenário atual, é justamente a diversidade em nosso grupo que nos traz forças para sempre estarmos nos transformando e sempre pensando em melhorias, somos um coletivo de ideias, de opiniões e religiões, de profissões, aptidões.

Fomos criados em bairros diferentes, com núcleos familiares diferentes a atuamos cada um dentro de nossas possibilidades, colocando esses ingredientes num liquidificador e adicionando uma boa dose de respeito mútuo que possuímos em nosso grupo e pela nossa cidade, continuamos na tentativa de sempre fortalecer o resgate da identidade, autoestima, enfrentamento de situações problema, apropriação e transmissão das linguagens culturais.

Fomos criados da diversidade e delas nos fortalecemos para melhor agir, nossas portas estão abertas para novos colaboradores, curiosos, receosos, críticos e também entusiastas.

Como diria o grande filosofo “Penso logo existo”, concordamos com a frase, mas nos dias atuais temos que nos adaptar então “Assino a papelada no jurídico logo existo”.

Forte abraço para todos! Continuidade na luta!

Soluções Locais para Problemas Globais

Por Coletivo N.A.S.A.

ABRIL DO SKATE – MOTIRÕ EM MOVIMENTO

Bem Vindos

GRATIDÃO

Creio ser esse todo o sentimento da Sociedade Civil que conclui o mês dedicado ao Skate com originalidade e essência. Valorizando e resgatando todos os elementos que envolvem a Cultura Skateboard. Só pra entender essa bagunça organizada, analise:

Primeira Noite:

Segunda Noite:

Gratidão Eterna à TODOS que contribuíram para essa construção, principalmente à equipe Tupinikim por abrir as portas e dar suporte total, à equipe do Coletivo N.A.S.A. que cuida do operacional antes, durante e depois, aos artistas, que livre de paradigmas, simplesmente somam e por fim a quem tem o Skate no pé, na alma e no coração.

E aí veio a segunda noite! Inciando com uma grande surpresa e apoio do DIA% Supermercado , que cedeu seu estacionamento para instalação da pista de street, a sociedade skatista agradece e em resposta houve total preservação do patrimônio, utilizando o espaço apenas para a prática do Skate.

O diálogo não foi realizado para que seu atraso não espelhasse nas atrações musicais, ficando o anseio de continuar esse tipo de vertente em um evento só pra ele.

O BAZART contou com a Burning, V4MO, Marinega, Mofo da Nega, Marco Aurélio, Miolo Mole e os CD’s da Miramoicana. A 100% Skate Magazine contribui com inúmeras revistas gratuitas pro público.

O Live Paint dessa vez surpreendeu pela alta qualidade dos trabalhos apresentados pelos renomados Danielone e Chã e pelo iniciante Du Beluco que não ficou pra trás em sua arte!

A pista de street foi algo surpreendente pela quantidade de skatistas correndo toda sua extensão, incluindo um pé quebrado atendido pelo SAMU, a sessão foi longe na segunda edição do mês do Skate.

Então veio toda a energia de 88Não, com peso e a típica voz Punk no show, a banda há tempos resgata o que há de melhor quando se trata de Baixo, Guitarra e Batera.

Dj Zambol assume a discotecagem trazendo sons do arco da velha oitentista do rap pesado que nosso carrinho tanto gosta de sentir.

Então chegou a vez de nada mais, nada menos que RPW Bate-Cabeça. Mc Rubia e Mc W-Yo embalados por Dj Paul, mostrou o peso de 20 anos de “teimosia”, como diz W-Yo. Boa parte do público que assitiu ao grupo no início dos 90, ao vivo no Club House, se emocionou ali diante da essência do Ritmo e Poesia Bate-Cabeça que sempre resistiu e sempre cantou a verdade da cena.

Dj Duze Rodrigues assume com uma selecta fina e elegante repleta de skate song’s. Ou seja, músicas de filmes de skate que com certeza marcam as sessions, as vezes, associando a musica ao skatista.

Então Miramoicana encerrou as apresentações musicais com a mesma tranquilidade que o evento fluiu. Lançando seu CD com seu público fiel e as vezes de bem longe.

Nesse momento gostaria de registrar aqui, o que a magia do skate pode proporcionar. Miramoicana, pela agenda de lançamento do CD, tem sua participação na data 24/04 agendada há mais de 2 meses, muito antes da idéia do Abril ser do Skate. Então na primeira noite, Ma Nunes compareceu pra ajustar os detalhes de sua participação na edição seguinte, quando se depara com um quadro da Exposição da História do Skate em SBC, do Campeonato de Bairros em 1988, aonde o próprio Marcio Nunes fora o Campeão numa final de 250 competidores!

Deixo então a conclusão por conta do próprio campeão de 1988:

“No primeiro evento que estive, tive a grata sensação de estar em um lugar repleto de atitude cidadã cultural que há muito não via,vi pessoas lutando por um interesse comum acrescido de amor por uma causa digna e guerreira. Vi fotos, vi amizade, vi coletividade sincera, vi discos, livros e revi amigos. No segundo, bom, no segundo eu vi tudo isso somado com a expectativa e pela certeza de que estão no rumo certo. Com seriedade, respeito e principalmente com a porta da frente escancarada para aqueles que querem chegar. Espero de coração que todos os envolvidos conquistem cada vez mais espaço com esse projeto que grandifica de forma excelente a cultura no abc.”
Marcio Nunes – Miramoicana

A fotografia ficou por conta do Projeto ZION. Confira AQUI!

e

Por Allan Carvalho Ban. Confira AQUI!

Eu encerro esse registro com a felicidade de uma missão cumprida e de todo valor e reconhecimento que esse movimento merece.

Para uns, um simples objeto, um brinquedo, mais um jogo de videogame ou na pior das hipóteses, uma oportunidade pra faturar. Para nós, é a liberdade do corpo e da mente, traduzida em evolução constante que só se torna constante pois está sempre olhando com respeito pra sua raíz

Por Sergio Narciso, Skatista com Orgulho há 16 anos, Técnico Administrativo em Telecomunicações e Produtor

IV – MOTIRÕ EM MOVIMENTO (1ª EDIÇÃO – ABRIL DO SKATE)

I NOITE DO SKATE

Bem Vindos

Depois de muito esquentar meus neurônios pra imaginar como começaria esse release, decidi fazê-lo como a própria construção do evento, de forma coletiva. Recolhi alguns posts, depoimentos e publicações, até mesmo afim de entender melhor o que foi essa noite histórica, com tanta intervenção e uma sinergia sem igual. O Coletivo N.A.S.A., conseguiu, efetivamente misturar até quem não se mistura.

A noite se inicia com a montagem do BAZART, mais tímido nessa edição, contou com as guerreiras sempre presentes Mofo da Nega e Marinega Brechó. A V4MO, além de trazer sua participação, também decorou seu espaço com shapes personalizados assinados por Du Beluco. Miolo Mole vendeu praticamente tudo do novo conceito “Viciado“, Os Fanfarrões compareceram com hilárias canecas personalizadas e a estreiante Deadless Skateboard, compareceu em grande estilo, tanto com seu vestuário Skateboard & Rock quanto na participação de Palmer, o skatista-tatuador old school contribui rasgando a pele de convidados, executando apenas tattoo’s relacionadas ao skate, até a pista velha foi lembrada no braço de Carlos Pretto. Pra muitos um borrão, pra nós a Identidade!

Giba Cossia apresentou o Streetluge, expondo macacão, equipamentos e um vídeo que trouxe a adrenalina total que essa modalidade exige.

E falando em BAZART, nessa edição aconteceu também na rua. É isso mesmo, a Kombi do RAP veio e fez um mini Motirõ em Movimento na calçada. Haviam roupas da Vato Loco, CD do idealizador do projeto Mc LiuMr entre outros CD’s de geral que participa da Kombi do RAP, saca só o evento pela ótica da Kombi do RAP que participou o tempo todo do evento com muito RAP, algumas poesias e uma energia de quem trabalha sério pelo Movimento:

Aperte o PLAY!

Aproveitando a Rua, nela se instalou a Mini Ramp, ocupando uma vaga de carro, foi como um Oásis, as pessoas esfregavam os olhos não acreditando que ali havia mesmo o estímulo tão significativo ao esporte. Uma grande correria feita com êxito por Gugu e Vagner Preto, trouxe um equipamento acima de tudo com qualidade e acabamento, profissionalismo puro que é o mínimo que o skate merece. Entre tantos momentos, o que mais chamou a atenção foi quando haviam alguns meninos de rua usufruindo com skates emprestados e em algum momento, auxiliado por Piuí e Diego Caetano, um deles realizou seu primeiro Drop e o público presente agitou como se fosse um campeonato à aquela realização minimalista porém, transformadora.

Fechando a rua, o sempre presente Live Paint em que as telas são sorteadas ao público presente, contou com Celo, Paçoca e Neguim. Mesclando gerações e tipos de skatistas, traduziram em tinta o amor que sentem ao Skate-Arte.

Efetivamente, os trabalhos foram iniciados com um diálogo sobre o Cenário Atual do Skate no Brasil. Mediado por Flávio Nascimento, o Piuí, conseguimos reunir todas as gerações e “espécies” de skate presente em nossa região:

“Salve Motirõ! Em primeiro lugar quero agradecer o espaço dado para o dia do skate, assim mostrando as diversas formas que ele interage dentro da vida das pessoas, sendo na música, arte, esporte, atitude e estilo de vida. Agradeço a oportunidade ajudar a esclarecer a discussão sobre a questão do comportamento atual dos skatistas e consumidores do mercado e a maneira de como se pode ajudar a mudar as atitudes das empresas do mercado perante o cenário do skate. Tal esclarecimento não seria possível sem ajuda dos meus amigos, skatistas e pessoas que fazem pelo skate: Eduardo Braz, Carlos Pretto, Vanderlei Arame, Allan Carvalho, Ricardo Kafka, Giba Cossia, Douglas Kalil, Fábio Gheraldini, Du Beluco, Diego Caetano, Palmer entre outros presentes. A energia foi uma e uma só totalmente sintonizadas, skate de verdade. Agradeço todos realmente, sem palvras. Também fiquei horando de compartilhar com todo o público presente um projeto de exposição de textos e fotos que contam a História do Skate de São Bernardo do Campo, o qual tenho rodado há dois anos junto com Carlos Pretto. Aproveitando o tema desse projeto, eu gostaria de ajudar a esclarecer o porque de uma exposição sobre a História do Skate de SBC acontecendo em outras cidades. Isso não é a história de que aconteceu em uma determinada região, na verdade isso é uma parte importantíssima da história do skate brasileiro, em que essa cidade é o endereço da maior e melhor pista de skate do país durante nos anos 80 e desde sua reforma de 2007 voltou a ser a maior e melhor da América Latina, e por isso vem sendo considerada berço do skate nacional. Vários skatistas de diversas regiões do país passaram pela por ela, essa cena impulsionou a evolução do skate do Brasil inteiro. Para quem gostaria de se aprofundar mais sobre o assunto, eu sugiro assistir o filme Vida Sobre Rodas. Mas realmente eu entendo e contesto também: e Santo André? O que aconteceu com antiga pista? E porque depois de tanto tempo sem uma pista pública, aparece uma em que tinha tudo para ser uma evolução de São Bernardo e dá tudo errado? Grandes nomes do skate brasileiro e mundial (ex: Vanderlei Arame, Eduardo Braz, Rodrigo Rozales, Sandro Dias, Karen Jonez, Andre Cywinski) são de Santo André, muitos tiveram que treinar em outras cidades ou em pistas particulares para poderem ser campeões mundiais? Quero deixar bem claro que isso não é uma coisa isolada que aconteceu por causa dessa gestão municipal ou outra, isso vem acontecendo direto por tudo o Brasil, o desperdício dinheiro público em concreto torto e mal feito atrasa é o que skate, atrasa o país. Enfim, esse assunto que não tivemos tempo esclarecer no primeiro dia do Motirõ especial mês do skate, EU SUGIRO SER LEVANTADO E DISCUTIDO, e os skatistas que eu indico a serem convidados a presenciar e esclarecer: Eduardo Braz (skatista profissional de Santo André), Carlos Pretto (coordenador da Pista de SBC), Cacio Narina (skatista pro-legend e construtor de pistas de skate) e Ed Scaner (diretor da CBSK) é claro, da Associação dos skatistas que revitalizou a nova pista pública de Santo André, o Parque da Juventude. Gostaria de relembrar que a essência do evento Motirõ é a reunião de discussão de assunto em prol a bem de todos e sendo a primeira atração do evento seria legal se todos que realmente se importam com o ASSUNTO SKATE, chegassem cedo para assistir essa reunião e começar a mudar as coisas.”

Por Flávio Nascimento, o Piuí.

E aí veio a música…

K72, banda de Mauá, trouxe seu som sujo e agressivo, com certeza um dos combustíveis para o Skate. Com sua bateria possuída e vocal expressivo, trouxe o verdadeiro Punk Rock ao palco.

Dj Dablyo deu continuidade com seu carisma e talento, batendo forte no grave com o RAP, aqueceu a pista até…

Um dos grandes feitos do evento, foi a reunião de dois ícones da música alternativa formados na década de 80. Doctor Mc’s e Subviventes!

Doctor Mc’s mexeu e remexeu, emocionou geral, entre beats novos e clássicos, fez geral relembrar a época boa do Rap em meados dos 80/90. Ao som de Energia, Tik-Tak, era nítido o saudosismo instalado. Finalizando a apresentação com bate-cabeça enérgico ao som de UBC.

Subviventes encerrou a noite com seu Punk Rock clássico. Desde 1988 na estrada não deixou o saudosismo passar, com um público leal incluso os comentários de quem acompanha desde o começo e teve a oportunidade de assistir pela primeira vez.

Emoção, sim, o musical, ainda que em tom agressivo, realista, de protesto foi tomado de sentimento nostálgico de atitude e identidade de um público mesmo que diferente, toma o mesmo rumo quando se fala em cultura e resistência.

__________

Conclusões:

“Motirõ: do Tupi, mutirão, reunião para fins de colheita ou construção, ajuda. Em Movimento: Todo mundo que faz isso acontecer livre de protagonismo.
Gostaria de parabenizar a COLETIVIDADE pelo evento Motirõ em Movimento, cada pessoa com o propósito de transformar, informar, somar, dedicando horas de trabalho para algo maior do que o dinheiro é sim o MOVIMENTO em que dedicamos as nossas vidas por amor, por acreditar no estilo de vida escolhido, seja o Punk, o Skate, o Graffiti, o Rap, a Tattoo, a Fotografia e o Artesanato citando algumas linguagens que tivemos no evento foi a celebração de toda uma caminhada adquirindo conhecimento com os tapas na cara que a vida nos dá ensinando os caminhos orientando nossas escolhas.
É de grande satisfação pessoal minha dividir isso com grandes representantes dos segmentos que citei acima. Esse encontro de gerações que foi proporcionado ali serve de reflexão e inspiração para os mais jovens, e inspiração, gratidão e RESISTÊNCIA para os mais velhos, o resultado é saber que o acreditar e a caminhada de todo mundo valeu a pena, livres de protagonismo produzimos um evento histórico não só para a cidade mas para os MOVIMENTOS e a vida de tudo mundo.
Estamos VIVOS, nos MOVIMENTANDO, NÓS por NÓS, fortalecendo SIM, com propósito SIM, horizontalmente, exaltando a NOSSA CULTURA, os produtores locais e alternativos, amo o que faço, meu estilo de vida, a cultura de rua, é isso que eu vivi bem vivido até hoje e me sinto um privilegiado por participar de tudo isso. Muito obrigado VIDA!”

Por Ney Braga

__________

“Cheguei na situação e já trombei o Ratão de bike curtindo a cena, veio lá da leste pedalando pra prestigiar o movimento, atravessei a rua a Kombi do Rap armada com Rap, microfone, ideologia e poesia, a galera do Sarau na quebrado representando e somando, fui um pouco para esquerda o carro da Red Bull quase me atropela, sai da rua para evitar acidentes e trombei o Celo pintando uma tela, pensei comigo fudeu, isso porque nem entrei ainda na parada, resolvi fumar um cigarro pra ver o movimento e na seqüência já pensei vou cair pra dentro, nem passei a portaria trombei o Estrela e perguntei: caraio ta fazendo o que aqui mano ?
– Fiquei sabendo que ia ter um som punk e vim curtir o role.
Cai pra dentro trombei o Fabrício outro mano punk tomando uma na frente do bar, to chegando perto da pista trombo Clé Belmiro, Re Gavião, Nobru e a galera da Leste (São Roberto, Jardim Elba, Conj. Jaú e Cardoso) aguardando o Doctor entrar, pensei mano que arregaço, fui tomar um ar pois a noite prometia e o mini ramp bombando e a rua fechando de gente.
Resumindo em poucas palavras foi a noite da diversidade, da amizade, da cultura e tranqüilidade, várias tribos ocupando o mesmo espaço, curtindo, interagindo, conversando e articulando, ainda bem que todo mundo entendeu que a energia era positiva, não teve espaço para maldade e nem para falta de sinceridade, o que rolou naquele dia, naquele momento e naquele evento foi a força da cultura de rua, pois quem tem a responsabilidade e obrigação de organizar esse tipo de difusão não se prontifica, então nós nos organizamos e fazemos com nossas próprias mãos, e quando digo nós não estou me referindo ao coletivo, mas todos aqueles que querem difundir, transmitir e compareceram no evento para somar e prestigiar, fica então o sentimento de que várias outras coisas boas estão por vir e as portas para participar estão abertas para quem quiser conhecer, entender e participar.”

Diário de um Zé povinho! Autoria DesCauêcida: ETROM.

__________

Dentre tudo isso que rolou, a família Tupinikim, além de toda parceria e todo empenho no operacional do evento, apresentou e distribuiu seu novo cardápio de pizzas orgânicas ao público presente que pôde desfrutar dessa novidade deliciosa.

Sendo assim, como skatista de alma há 16 anos tenho como gratidão essa reunião, desde a primeira escola representada por Giba, Pretto e Jeff até o primeiro Drop de uma criança, infelizmente de rua em um mínimo espaço de tempo. Reunião do Rap com o Punk Rock, e a inserção da informação a quem não tem.

E por conta da magnitude desse registro ser feito sem deixar detalhes passar, o registro fotográfico ficará melhor visto no Facebook. Realizado por Ricardo Kafka, Aoran Draganofi e Allan Carvalho:

Álbum de fotos do IV – MOTIRÕ EM MOVIMENTO por Ricardo Kafka, clique aqui.

ou

Álbum de fotos IV – MOTIRÕ EM MOVIMENTO por Aoran Draganofi, clique aqui.

E que venha a II Noite do Skate! O Coletivo N.A.S.A. agradece a todas as participações diretas e indiretas que acreditam

Release por Sergio Narciso, há 16 anos Skatista, Técnico Administrativo em Telecomunicações e Produtor

V QUARTA EM MOVIE – É TUDO NOSSO

Bem Vindos

UH! COOPERIFA! UH! COOPERIFA!

Mais uma vez o Quarta em Movie foi agregador. Realizado em 4 de Abril de 2012, teve a exibição do Filme “É Tudo Nosso”, produzido e dirigido por Aline Magalhães, Hugo Passarelli e Ana Ferrareze, de forma realista e emocionante, conta a história dos 10 anos da Cooperifa (Cooperativa Cultural da Periferia), que trata de uma iniciativa bem descrita na repaginação de Criolo à Cálice de Chico e Miltom:

“Os saraus tiveram que invadir os Butecos, pois biblioteca não era lugar de Poesia, biblioteca tinha que ter silêncio e uma gente que se acha assim muito sabida”.

Cooperifa no meu entendimento é uma Tecnologia Periférica, traduzida em Sarau, reúne semanalmente pessoas que há 10 anos se apropriaram da palavra em si, quebrando em definitivo a elitização da literatura, sendo criada e proclamada pelas mesmas pessoas que foram transformadas por essa palavra, tal que nunca deveria ter sido propriedade intelectual de quem a estuda e sim de quem a sente. E quem sente, sente em qualquer lugar, independente de condição. O sentimento não tem cor, credo e nem classe social.

Conclui-se que o povo não depende mais, ponto! A identidade resgatada cria autonomia, ponto!

Para quem quiser conferir o filme, ele está disponível na web na íntegra:

Ao término do filme, o Coletivo N.A.S.A. havia combinado com o pessoal do Ponto de Cultura Mistura & Gingada, idealizadores do Sarau na Quebrada, sem motivo específico que declamassem suas poesias e após começaríamos o diálogo até que, de forma mágica, as poesias se misturaram ao diálogo criando um movimento de interação total e sem a separação entre poesia e diálogo, sem separação entre Público presente e Escritores, Mc’s e Poetas, que iam explicando seus envolvimentos com essa arte e declamando suas poesias passando a vez ao próximo no melhor estilo Sarau de ser. Estiveram presentes Glaucia Adriani, o escritor Pico Manarrá, Mc Araujo, MC Eder, o Cantador de RAP Arnaldo Tifu, o poeta Helio Neri e Neri Silvestre, que ilustraram o filme na prática, trazendo a tona a essência de um Sarau.

O próximo Sarau na Quebrada, será realizado dia 13 de Abril, a partir das 20hs na Adega Viva Vida, situada à Rua Macuco, 475 no Jd. Alvorada em Santo André. Essa edição do Sarau na Quebrada terá a participação do músico Adriano Alf Porto que é Flautista ,Violeiro, Poeta E Músico. Além de exibição de documentário, música e muita poesia. Vá e leve sua voz!

Neri Silvestre, ao ser solicitado para dar um depoimento sobre a participação do Ponto de Cultura Mistura & Gingada, preferiu deixar a Poesia que retratou bem o V Quarta em Movie:

Vida é amor , amor é carinho, troca e disposição…
É vontade de ver o outro crescer,
Ame o próximo , o dia de amanhã ninguém sabe.
Isso você pode colocar no seu currículo: amei e fui amado.
Respeito é bom e todo mundo gosta, viva os verdadeiros.

(Zé Paraíba)

Finalizamos aprendendo o grito de guerra do Sarau na Quebrada:

“Sarau na Quebrada! Mistura & Gingada… Mistura & Gingada! Sarau na Quebrada!”

MAIS UMA VEZ FICAMOS GRATOS PELA PARCERIA COM O GAMBALAIA ESPAÇO DE ARTE & CONVIVÊNCIA POR POSSIBILITAR O PROJETO.

VIVA OS VERDADEIROS E ATÉ O PRÓXIMO QUARTA EM MOVIE

Por Sergio Narciso, Skatista, Técnico Administrativo em Telecomunicações e Produtor

Fotos por Sol Macineli, Produtora Cultural

RUA NOVA MULHER – CEDECA e CDHS – JD. ELBA!

Bem Vindos

Enfim a Rua Nova Mulher pode bater no peito e ser a Nova Mulher. A Nova Mulher da resistência, da militância. A Nova Mulher que denúncia, que não se submete e que busca contínuamente a sociedade igualitária.

Deixando seu registro na história, o dia 31/03/2012 fechou o mês da Mulher em grandioso estilo na Rua Nova Mulher no Jd. Elba em São Paulo.

Dona Nazinha, grande mãe da comunidade, além de toda hospitalidade, esgotou seu caldeirão do tão falado de Caldo de Feijão antes do final do evento.

No CEDECA, durante toda a tarde ocorreram exibições de Capoeira, de Dança de Rua, e a Oficina de Samba e Chorinho.

Nos musicais, além da apresentação inicial da Oficina de Samba, a mesma iniciou posteriormente os trabalhos com um Samba doce de voz aveludada, entre Tom Jobim e Vinicius de Moraes, Adoniran Barbosa e Elis Regina, as Amigas do Samba discursaram sobre o movimento e a resistência feminina na imposição de sua liberdade, ainda com a grande participação de Tia Cida e Sharylaine, o Samba foi iluminando a noite que se aproximava.

Lab Ann Dub mandou o seu recado durante todo o dia e após, o Samba deu lugar ao RAP. Sharylaine constou com seu trabalho pronto para lançamento, continuando com proclamação do movimento feminino. Coligação ZEM propôs um show coletivo, iniciando os trabalhos com suas fortes reflexões, Pamelloza prosseguiu declamando seu protesto sobre a ilusão imposta de uma bonita miscigenação que só favorece à elite e aos corruptos, prosseguindo com seu timbre afinadíssimo, deu espaço a AudioCombo, seguindo agressivamente em suas letras realistas. Alta Voltagem fechou a noite.

E outro grande espetáculo do evento foi a massiva quantidade de artistas gráficos que coloriram dos pés a cabeça a Rua Nova Mulher. Fortemente armados com escadas, colagens, tintas e sprays, utilizaram todos os tipos de técnicas e categorias que a arte abre de leque de opções. Sendo assim, a rotina das pessoas que ali residem, se tornará mais leve e transformada diante da revitalização instalada.

Definitivamente, incontáveis Cidadãos fortemente armados de Tinta e Spray levando arte e cor pra rotina dos Residentes…

Obrigado Jd. Elba pela receptividade, é notória a transformação e autonomia que essa mulecada precisa e que todo esse esforço coletivo vai continuar na luta por equalização social!

Sentimento de passo dado, de passo firmado…

Depoimento de Juliane Oliveira:

“Olá Coletivo Nasa, em nome das Diretorias do CEDECA e CDHS, agradecemos imensamente pela Colaboração no evento Rua Nova Mulher, dando vida e levando toda energia positiva que presenciamos neste dia. Mais que sucesso na organização, nos divertimos muito e alcançamos nosso objetivo, integrando diversidades, trocando repertório cultural, cultuando a paz, evoluindo mutuamente.
Nos relatos dos moradores, que por sua vez são desconfiados e resistentes, por tantas promessas não cumpridas, só recebemos boas noticias, uma delas de nossa querida Ana P (figurassa, atendida pelas duas entidades e hoje colaboradora), que disse ao microfone: “Essa festa ta legal, pude conhecer coisas novas, musicas novas e pessoas novas que não são daqui”.
Agradeço aos que tive o prazer de conversar pessoalmente, Nobru CZ, Ney Braga, Bitu Guilherme, Danilo Roots, Evandro Mambembe e a todos que não mencionei mas que iluminaram o dia, Agradecimentos a querida Elen Araújo, Leo Koga e Leonardo Pereira Sena da Silva. Nosso espaço é de vocês e esperamos novas trocas futuramente. Valeu”

E concluindo, Evandro Mambembe, graffiteiro e membro do Coletivo que cuidou da parte operacional conclui:

“O Coletivo Nasa esteve presente neste projeto do início ao fim, trabalhamos para fazer do sábado, dia 30 de Março de 2012, um dia de Mudança, um dia de Troca de Boas Energias e Conhecimentos, um dia de Cores, Sorrisos e Boa Música, um dia de Amor, um dia de Denúncias, Questionamentos e Revolução. Acreditamos que todos os dias, sejam novas oportunidades de fazer a mudança acontecer. Acreditamos que ações como essa, são também um dia de plantio, de jogar sementes na terra, regar e esperar que a Natureza faça o seu papel. Vemos as crianças como sementes, prontas para serem plantadas, vemos ali líderes natos, pequenos guerreiros e lindas princesas, num reino não “tão, tão distante”, porém aparentemente invisível. Um reino de segregação e violência, ou de violenta segregação, onde flores nascem em meio à montanha de lixo que serve de lar para as familias de ratazanas. Onde a Informação, o estudo, a saúde e o saneamento básico não chegam, ou chegam de forma precária!
Além de alegrar o povo do Antigo “Beco da Morte”, nossa missão é abrir os olhos de todos, à realidade que se encontra à um palmo dos nossos narizes e insistimos em não querer enxergar. Obrigado de Coração à todos que enxergam e estiveram presente, ou emanaram boas energias para o Jd Elba nesse sábado! Obrigado e parabéns Cedeca, por diariamente levar autonomia e transformação aos residentes, livre desse assistencialismo improdutivo e mascarado que vemos por aí. TamoJunto!”

E assim esperamos que esse evento se repita e ficamos a disposição para o planejamento de levar a outras comunidades. PAZ!

Por Sergio Narciso, Skatista, Técnico Administrativo em Telecomunicações e Produtor
Fotos por Sol Macineli, Produtora Cultural

I TORNEIO DE FUTSAL FEMININO BENEFICENTE DO COLETIVO N.A.S.A. (ATUALIZADO²)

VEM AÍ:

I TORNEIO DE FUTSAL FEMININO BENEFICENTE DO COLETIVO N.A.S.A.

 

No dia 15/07/2012, será realizado um Torneio de Futebol Feminino Beneficente, organizado pelo COLETIVO NASA e COLABORADORES, na quadra de futsal do Ginásio Esportivo Pedro Dell’Antonia – Rua São Pedro, 27 – Vila Pires – Santo André/SP, das 14h às 20h.

O Coletivo N.A.S.A. (Núcleo de Ações Socioculturais Ativista), é uma iniciativa organizada com objetivos para promover ações socioculturais, ambientais, esportivas e educacionais, de iniciativa pessoal, disseminando conhecimento e articulando conexões humanitárias. Estimulam iniciativas locais culturais em forma de Oficinas, Workshops, Debates, Encontros e Movimentos Colaborativos e Sociais como forma de prevenção aos riscos. Entende-se dessa forma a criação de Soluções Locais para Problemas Globais.

https://coletivonasa.wordpress.com/

Esse torneio vem para fomentar o esporte feminino e ao mesmo tempo arrecadar fundos para as oficinas do Art’inerante, para isso será vendido os ingressos nos eventos do Coletivo NASA, por um VALOR SIMBÓLICO de R$2,00 e/ou DOAÇÃO DE MATERIAIS, tais como: lápis e giz de cera coloridos, pinceis, papeis, tintas, etc, para que seja possível a realização das atividades oficineiras, pois os mesmos já estão escassos.

DAS INSCRIÇÕES
As inscrições deverão ser feitas pelo e-mail FUT.ABC@HOTMAIL.COM e conter as seguintes informações:

– Nome do Time;
– Dados do (a) Técnico (a) ou jogadora responsável (Nome, RG, e-mail, telefone celular e fixo);
– Dados de todas as jogadoras do time: (Nome e RG).

*Máximo de 15 jogadoras.

*Cada jogo terá 2 tempos de 15 minutos.

*O time pode usar seu próprio uniforme ou utilizar os coletes fornecidos pela organização (avisar com antecedência se caso não tiver uniforme).

O sorteio da ordem das partidas será realizado no dia do Congresso Técnico com as representantes do time: 09/07/12 (data provisória).

DA PREMIAÇÃO

Para o time vencedor, será entregue um TROFÉU ECOLÓGICO E APITOS DE OCARINA, como prêmio participativo, INCENTIVANDO A ARTE E A CULTURA.

LEMBRANDO QUE O EVENTO VISA A COMPETIÇÃO SAUDÁVEL ENTRE SEUS PARTICIPANTES E NÃO A RIVALIDADE, ENFATIZANDO ASSIM O RESPEITO E CUIDADO MÚTUO ENTRE OS (AS) ENVOLVIDOS (AS). O COMPROMISSO COM A RESPONSABILIDADE DA INSCRIÇÃO E COMPARECIMENTO NO DIA DO EVENTO TAMBÉM É MUITO IMPORTANTE, POSSIBILITANDO UM DIA DE MUITA DIVERSÃO!

 

III-MOTIRÕ EM MOVIMENTO (MÊS DAS MULHERES)

Bem Vindas(os)!

Aconteceu! O fechamento do mês das mulheres foi forte como as próprias. Elas que  através  de seus charmosos trejeitos e sensibilidades, tem notoriamente sido a mudança que querem ver no Mundo.

E aí veio o Recital, com elas!

Articulado por Janaina Castro, trouxe a poetiza Neide Matsumoto  e a Associação Cultural Nova Acrópole (uma organização internacional de caráter filosófico, cultural e social). Acrópole, na Grécia Antiga, significava a parte mais elevada da cidade, onde se estabelecia o contato entre o visível e o invisivel. Trata-se um um lugar simbólico para nossa imaginação, que sugere ascender para o mais elevado de nós mesmos.Ficou evidente a abrangência de uma Filosofia a Maneira Clássica, ou seja, na prática. Janaina Castro declamou forte e doce ao mesmo tempo:

“Se temos de esperar,
que seja para colher a semente boa
que lançamos hoje no solo da vida.
Se for para semear,
então que seja para produzir
milhões de sorrisos,
de solidariedade e amizade.”
Cora Coralina

Na foto, o momento da participação de Genni Alves

E aí vieram as Tintas, com elas!

O Live Paint contou com uma ausência por motivo de força maior (Dninja), mas recompensado por duas telas pintadas por Barbara Goy que detém bom tempo de caminhada artística. Pala trouxe o choque colorido de seu spray e Katia Spagnol, artista plástica minimalista, tem um trabalho tão detalhista que será necessário finalizar posteriormente!

Passando pelo Bazart e pelo acesso à informação:

Essa ação contou com o lançamento da liquidação Glass, lançamento dos Bonés da V4MO, Mofo da Nega e Marinega sempre elegantes, sempre presentes, trazendo alternativas de vestuários no formato brechó. Jubileu Delírios Naturais, Lucentoys ilustraram a parte de acessórios e decoração e o mais novo participante Miolo Mole com o conceito traduzido em camisetas “Viciado”.

A Banca de empréstimo de Livros e Vinis funcionou normalmente. O CineDOC teve o looping dos animados e inenarráveis teasers da V4MO.

E aí vieram os musicais, com elas!

A noite se iniciou com o protesto forte contra toda a opressão em uma Odisséia das Flores, de Franco da Rocha e Brás para o Mundo, as meninas mostraram a que vieram e deixaram o público presente reflexivo em suas idéias de valorização à postura feminina e respeito ao sexo oposto em qualquer âmbito.

Na sequência sem mais delongas Tabata Alves ataca, taca, ataca, Tabata… Acompanhada de Zinho DK, mostraram sua lealdade e sintonia nas rimas, no palco, nos graves saindo das caixas para a galera presente. A MC vem num ritmo forte de shows trazendo naturalmente à platéia seguidores pedindo música e cantando junto.

A finaleira ficou por conta do Grande Grupo de Pesquisa Mahins. 5 Meninas que saíram de suas zonas de conforto e através da arte, da música e das interações em grupo, traduzem na rima na africanidade, temas abrangentes do cenário atual, abrilhantadas por Zion sem parada, fecharam com a inesperada participação de Ba Kimbuta com tambores e agogo, deixando o microfone aberto, contaram com improvisações acaloradas pelo toque africano e uma forte poesia de Glaucia Adriani declamando: “Todos os dias, no Brasil, 10 mulheres são assassinadas por dia… Todos os dias.”

Sharylaine iluminou o evento com a surpresa de sua presença. Todos nos sentimos honrados com a presença!

E assim, finalizou o mês das mulheres feito por elas.

Nota de Esclarecimento: Ser independente não é fácil, exige resistência, transparência e força, muita força de vontade em fazer acontecer. Ocorreram alguns problemas técnicos nos shows, por conta da pequena estrutura que dispomos (Notebook+Cabo Stereo PS2 to RCA) não ter aguentado a força dos beats dos projetos que se apresentaram. O N.A.S.A. se desculpa, reconhece e segue na busca pela excelência.

Cobertura fotográfica por Tatiane Mithy

Link para o álbum de fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.206803179428247.41289.100002956992703&type=1

ATÉ O ABRIL DO SKATE com mais MOTIRÕ EM MOVIMENTO!

Por Sergio Narciso – Skatista, Técnico Administrativo em Telecomunicações e Produtor

IV-QUARTA EM MOVIE

Bem vindos!

No dia 21/03/2012 aconteceu mais uma exibição do projeto quinzenal Quarta em Movie. Uma parceria do Coletivo Nasa e do Gambalaia que traz quarta sim, quarta não um filme, documentário, curta, média ou longa feito de forma independente, valorizando a produção regional e o cenário cinematográfico atual que não dispõe de muitos ou algum ponto de exibição de filmes com esse cunho.

O filme apresentado, intitulado Adrasteia traz relatos de pessoas que são adeptas de práticas de automutilação, submissão e/ou modificação corporal, na visão dos próprios praticantes que não consideram suas práticas como transtornos (diagnosticados assim, por especialistas que também participam do filme) e sim como estilo de vida.

Sinopse do filme:

“Filha de Júpiter, Adrasteia era a Deusa da mitologia Greco-romana responsável pela distribuição de punições e recomprensas. Suspensão corporal, cutting, sadomasoquismo e tricotilomania são algumas das punições que os protagonistas deste documentário realizam para alcançar suas recompensas de prazer, liberdade, alívio e bem estar. Adrasteia conta a história da vida dessas pessoas e explica porque corpo e alma sempre caminham juntos.”

Após, o diálogo contou com as produtoras do filme, esplanando ainda mais sobre as participações do filme incluso as curiosidades nos bastidores das gravações dos mais variados ambientes frequentados. Veridiana Jordão, diretora, salientou sobre sua própria mudança de percepção e quebra de paradigmas sobre os assuntos recorrentes no filme.

Conclui-se que a sociedade deveria cada vez mais se livrar de preconceitos e/ou de paradigmas conservadores demais, pois todo tipo de  estilo de vida tem dois ou mais lados. Foi evidente que os praticantes de cada prática, estuda o que faz e o faz com responsabilidade e segurança, na medida do possível, pois a adrenalina e o prazer do momento também são temperados pela sensação do incomum.

Mais uma vez agradecemos ao Gambalaia, Espaço de Artes & Convivências pela crença no projeto e pelo espaço e serviços gentilmente cedidos.

Até o próximo Quarta em Movie dia 04/04/2012.

Texto por Sergio Narciso, Skatista, Técnico Administrativo em Telecomunicações e Produtor

Apresentação por Marcelo Silva, Celo, Graffiteiro

Fotos por Sol Macineli, Produtora